Meu cartão de crédito foi clonado: e agora?

Você certamente conhece alguém que já teve o cartão de crédito clonado e utilizado para alguma compra indevida na internet, ou talvez até mesmo você já tenha passado por este problema. No entanto, muitas pessoas não sabem exatamente por que isso acontece e nem o que devem fazer quando são vítimas deste tipo de crime, cada vez mais comum em nosso dia a dia. Sempre há inúmeras dúvidas a respeito deste tema, e pior: por falta de informação, o consumidor acaba tomando algumas atitudes equivocadas para se proteger, mas acaba ficando ainda mais vulnerável a golpes.


O cartão de crédito é a forma de pagamento mais utilizada na internet - só no Brasil, 70% das transações são feitas assim, segundo levantamento feito pelo gateway de pagamentos Moip, em parceria com a Keyscores. No entanto, um estudo feito pela Oberthur Technologies mostra que 28% das pessoas que compram no e-commerce já foram vítimas de fraudes e 70% delas modificaram o comportamento de compra depois disso.

Mas será que mudar de comportamento e deixar de fazer compras pela internet é a atitude correta? Confira, abaixo, as principais dúvidas de quem é vítima da clonagem de cartão de crédito e as nossas dicas de o que fazer nessa situação.

Vou perder o dinheiro daquela compra indevida com o meu cartão?

Não. Basta ligar para o seu banco ou para a operadora do cartão de crédito e informar a compra que você não reconhece na fatura. O cartão será cancelado automaticamente e a cobrança na fatura será cancelada.

Como clonaram meu cartão?

Talvez você nunca saberá como o seu cartão de crédito foi clonado. Ele pode ter sido utilizado para um crime online, mas o vazamento dos dados pode ter ocorrido tanto na internet (por conta de ataques de hackers e vírus ao seu computador ou ao de um e-commerce) como no “mundo físico” (algum caixa eletrônico ou maquininha de cartão tinha um “chupa-cabra”, que era capaz de interceptar os dados do cartão e enviá-los para os criminosos).

Foi a loja que clonou meu cartão?

Provavelmente não. O e-commerce responsável por aquela transação que você não reconhece na fatura do seu cartão também foi vítima do crime. Depois que você ligar para o banco e solicitar o estorno daquela transação, o dinheiro sairá da conta da loja - que, por sua vez, já deve ter enviado o produto para o criminoso e terá que arcar com aquele prejuízo. Porém, há alguns casos (muito mais raros) em que o próprio e-commerce é o responsável pelo crime.

Devo parar de fazer compras no cartão pela internet?

De jeito nenhum. O cartão pode ser roubado, copiado e usado para fraudes, mas o consumidor está protegido por contrato contra as cobranças indevidas. Se o cartão foi utilizado em alguma fraude, basta ligar para o banco e solicitar o estorno daquela transação.

Pagar por boleto é mais seguro?

Este é o erro mais comum entre os consumidores. O pagamento por cartão de crédito é sempre muito mais seguro em comparação ao pagamento por boleto. Afinal de contas, se você pagar um boleto falso, não há como pedir o dinheiro de volta - a não ser judicialmente, em um processo bem mais lento do que uma ligação para o banco.

Como eu devo me proteger?

Há algumas atitudes básicas que o consumidor pode tomar, como tomar cuidado com e-mails falsos (phishing), manter um antivírus sempre atualizado no computador e no smartphone e nunca enviar dados sensíveis de cartão de crédito (número, código CVV e validade) por e-mail, chat ou mensagem de texto - e nem realizar recadastros destas informações.

É importante frisar que adotar estas medidas básicas, infelizmente, não garantirá que o seu cartão de crédito jamais será clonado, pois em muitos casos o crime acontece sem que o portador do cartão tenha “culpa”. Por isso, o mais importante é que o consumidor se conscientize dos seus direitos e SEMPRE verifique cuidadosamente a fatura mensal do cartão, para que nenhuma cobrança indevida passe despercebida.

Tom Canabarro é co-fundador da Konduto, sistema antifraude para e-commerces 

Fonte: administradores.com.br

Links Úteis







Agenda Tributária

  • 13/Dezembro/2019
  • IOF | Imposto sobre Operações Financeiras.
  • IRRF | Imposto de Renda Retido na Fonte.
  • EFD Contribuições.
  • CIDE | Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico.
  • COFINS/PIS-PASEP | Retenção na Fonte – Autopeças.
  • Escrituração Fiscal Digital de Retenções e Outras Informações Fiscais (EFD-Reinf)
  • Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais Previdenciários e de Outras Entidades e Fundos (DCTFWeb)
saiba mais

Cotações e Índices

Moedas - 13/12/2019 08:29:11
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 4,088
  • 4,090
  • Paralelo
  • 4,090
  • 4,310
  • Turismo
  • 4,080
  • 4,320
  • Euro
  • 4,546
  • 4,550
  • Iene
  • 0,037
  • 0,037
  • Franco
  • 4,148
  • 4,150
  • Libra
  • 5,381
  • 5,385
  • Ouro
  • 193,710
  •  
Mensal - 03/12/2019
  • Índices
  • Set
  • Out
  • Inpc/Ibge
  • -0,05
  • 0,04
  • Ipc/Fipe
  • -
  • 0,16
  • Ipc/Fgv
  • -
  • -0,09
  • Igp-m/Fgv
  • -0,01
  • 0,68
  • Igp-di/Fgv
  • 0,50
  • 0,55
  • Selic
  • 0,46
  • 0,48
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,59
  • 0,59
  • TR
  • -
  • -
saiba mais
Contabras - Contabilidade e Auditoria

Rua Lisboa 391, Jardim América
CEP 05413-000 | São Paulo - SP
Fone: (11) 3062.2388


Desenvolvido pela TBrWeb
(XHTML / CSS)