Simples Nacional: o que pode mudar com as novas regras?

O Simples Nacional é um programa de regime tributário diferenciado, simplificado e favorecido da Fazenda, teve início em julho de 2007, com a aplicação da Lei nº 123. Nele, as microempresas e as pequenas empresas conseguem unificar suas arrecadações de tributos e contribuições, podendo, inclusive, parcelar os débitos. Agora, o Supersimples poderá sofrer modificações com um projeto de lei que foi para a Câmara dos Deputados.

No último dia 21 de junho, o Senado aprovou um texto-base em que permite reajustes nos limites de enquadramento ao Simples, ou seja, mudanças que atingem diretamente as pequenas e microempresas participantes. Segundo esse novo projeto, a partir de 2018, o teto para participação das empresas aumentaria – sendo de R$ 4,8 milhões ao ano de receita bruta das empresas de pequeno porte, ao invés dos atuais R$ 3,6 milhões. Já no caso das microempresas, a proposta aprovada por unanimidade pelos senadores é do aumento de R$ 360 mil para R$ 900 mil.

Além disso, as mudanças no Simples Nacional mudariam o limite de enquadramento da receita bruta anual do microempreendedor individual (MEI) de R$ 60 mil para R$ 72 mil. Porém, esse aumento já havia sido aprovado pela Câmara anteriormente.

Novo Simples Nacional

A partir de janeiro de 2015, o programa passou por mudanças que visaram a diminuição das cargas tributárias e burocracia para o gerenciamento das atividades das micro e pequenas empresas. Com o Novo Simples, cerca de 450 mil empresas, de 140 atividades foram beneficiadas.

Na época, as mudanças trouxeram novos tipos de empresas, que passaram a ser contempladas, e a adesão ao Simples Nacional começou a depender do porte e do faturamento da empresa, não mais da atividade exercida.

Consulta do Simples Nacional

A consulta optante pelo Simples pode ser realizada no site da Receita, sendo referente aos períodos anteriores de opção e a verificação de agendamentos e eventos futuros. Para os serviços do Simples e do Simei que exigem controle de acesso, o usuário pode utilizar o certificado digital ou código de acesso.

O reajuste feito nas regras do programa está abaixo ao inflacionário, uma vez que a inflação acumulou por volta de 77% desde a criação do Simples, porém o limite de faturamento das empresas participantes continuou o mesmo. Caso a tabela do Simples fosse corrigida de acordo com a inflação, em abril de 2016 o valor máximo de faturamento passaria dos R$ 3,6 milhões para R$ 6,3 milhões, segundo o Índice IPC-A.

Fonte: jornalcontabil.com.br - 27 de Junho de 2016

Links Úteis







Agenda Tributária

  • 18/10/2019
  • IRRF | Imposto de Renda Retido na Fonte.
  • Cofins/CSL/PIS-Pasep | Retenção na Fonte.
  • COFINS/PIS-Pasep | Entidades financeiras.
  • INSS | Previdência Social.
  • EFD - Contribuintes do IPI | Pernambuco e Distrito Federal.
saiba mais

Cotações e Índices

Moedas - 17/10/2019 12:36:46
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 4,134
  • 4,135
  • Paralelo
  • 4,130
  • 4,360
  • Turismo
  • 3,970
  • 4,300
  • Euro
  • 4,598
  • 4,600
  • Iene
  • 0,038
  • 0,038
  • Franco
  • 4,185
  • 4,187
  • Libra
  • 5,311
  • 5,314
  • Ouro
  • 199,550
  •  
Mensal - 23/09/2019
  • Índices
  • Jul
  • Ago
  • Inpc/Ibge
  • 0,10
  • 0,12
  • Ipc/Fipe
  • 0,14
  • 0,33
  • Ipc/Fgv
  • 0,31
  • 0,17
  • Igp-m/Fgv
  • 0,40
  • -0,67
  • Igp-di/Fgv
  • -0,01
  • -0,51
  • Selic
  • 0,53
  • 0,49
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,59
  • 0,59
  • TR
  • -
  • -
saiba mais
Contabras - Contabilidade e Auditoria

Rua Lisboa 391, Jardim América
CEP 05413-000 | São Paulo - SP
Fone: (11) 3062.2388


Desenvolvido pela TBrWeb
(XHTML / CSS)